Blog

17 de março de 2020

Escolher a melhor forma de migrar para o mercado livre é um passo estratégico

Uma das soluções da constante busca por alternativas para diminuir os gastos com energia é a migração para o Mercado Livre de Energia, sendo possível reduzir o preço do kWh e, assim, o seu custo com energia. Porém, atuar nesse âmbito pode não ser tão simples assim. As normas e deveres que devem ser cumpridos são complexos e burocráticos, exigindo conhecimento e tempo para fazê-los.

Você sabe de quem você pode comprar energia no Mercado Livre? E como escolher qual a melhor forma para o seu negócio? Há algumas diferenças e fatores que devem ser levados em consideração na hora da decisão.

Por Talita Capodeferro

Por exemplo, a atuação no Mercado Livre pode ser feita de duas formas: via adesão do consumidor na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) ou por meio de Comercializador Varejista, que é um agente facilitador da migração para o Mercado Livre, responsável pela gestão e por todas as obrigações e responsabilidades, inclusive as financeiras junto ao órgão.

A migração via Comercializador Varejista é indicado para os consumidores de pequeno e médio porte que desejam os benefícios do Mercado Livre de energia, sem a burocracia das responsabilidades e as obrigações da CCEE e para os consumidores que possuem processos internos complexos que dificultam o cumprimento dessas obrigações financeiras previstas nas Regras e Procedimentos de Comercialização junto à CCEE.

Outro agente importante no mercado é o Comercializador que compra e vende energia por meio de contratos bilaterais a outros comercializadores, geradores, distribuidores, consumidores livres e especiais. O Comercializador pode representar operacionalmente seus clientes, porém não será responsável por eles. A gestão e representação de consumidores via Comercializador é indicado para os consumidores de grande porte, que tenham uma estrutura interna para tratar com as obrigações financeiras e agilidade em tomada e decisões.

Entenda as diferenças entre o comercializador e o comercializador varejista

Com a modalidade Comercializador Varejista, o cliente não se torna agente da CCEE. Ele é cadastrado no que chamamos de Agente do Comercializador Varejista e é considerado pela CCEE como um ativo de consumo ‘filial’, o qual tanto as responsabilidades operacionais quanto financeiras passam a ser exclusivamente do Varejista. Para operacionalizar essa modalidade, o Varejista antecipa todos os pagamentos referentes à energia e às obrigações financeiras da CCEE pelo cliente. Sendo assim, é emitida apenas uma nota fiscal ao final de cada competência correspondente aos valores adiantados à CCEE, facilitando e melhorando a previsibilidade de fluxo de caixa do cliente.

Quando falamos em gestão e representação de clientes na CCEE por um Comercializador, entende-se que ele será responsável por registrar e validar contratos, realizar a sazonalização ou modulação, podendo realizar também a gestão de energia. Porém, o cliente deve ser agente ligado ao órgão e cumprir as obrigações financeiras dele, realizando os pagamentos nas datas corretas ao longo do mês.

Nesse caso, os riscos do cliente são: exposição de lastro de energia, pagamentos inesperados no mercado de curto prazo, possibilidade de pagamento de penalidades, inadimplência na CCEE, abertura de processo de desligamento, desligamento da Câmara e possível rompimento dos contratos bilaterais de energia.

 Então, como escolher o melhor caminho? E quais fatores devem orientar a sua decisão? Se a sua empresa está no mercado cativo e deseja migrar para o livre, faça a si mesmo algumas perguntas:

 Possuo experiência nesse assunto ou área especializada para lidar com a gestão da energia?

· Quero ser um agente na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica?

· Estou disposto a assumir riscos?

· Minha empresa possui um fluxo de pagamento flexível para cumprir as obrigações financeiras da CCEE nas datas corretas?

Se a sua resposta foi não para a maioria dos tópicos acima, considere realizar a migração via Comercializador Varejista. Caso contrário, sua empresa é um potencial cliente de um comercializador.

 

 

Fonte: Administradores.com.br

Comercializadora, Palavra do Expert
2 Comments
  1. Talita, bom dia. Tudo bem?

    Estamos começando a estudar o mercado livre para a empresa da minha família (ainda não tem a demanda necessária), mas gostaria de entender um pouco melhor a modalidade varejista, principalmente nessa frase que você colocou:

    “Para operacionalizar essa modalidade, o Varejista antecipa todos os pagamentos referentes à energia e às obrigações financeiras da CCEE pelo cliente. Sendo assim, é emitida apenas uma nota fiscal ao final de cada competência correspondente aos valores adiantados à CCEE, facilitando e melhorando a previsibilidade de fluxo de caixa do cliente.”

    Essa nota fiscal que você se refere é sobre o somatório dos custos que um agente ccee teria? Por exemplo, custo referente energia + custo liquidação financeira + custo energia de reserva?

    Obrigada pelo texto, está muito bom!

    Att,

    Flavia

  2. Flavia,

    Ótimo que esteja estudando a possibilidade de migração da empresa de sua família. O mercado livre desde de que bem gerenciado proporciona reduções significativas nos custos com energia elétrica.

    Respondendo ao seu questionamento, é isso mesmo, a nota fiscal se refere a todos os valores antecipados a CCEE pela varejista. Quando você migra para o mercado livre com uma comercializadora varejista, sua empresa não vira agente da CCEE, mas perante a CCEE essas empresas que estão modeladas via Varejista funcionam como “filiais” da comercializadora. Isto é, as obrigações energéticas e financeiras dessa “filial” é da Varejista.
    Apesar de não serem agentes, essas empresas são atendidas seguindo as mesmas regras e procedimentos das demais empresas que são agentes da CCEE, isto é, pagam encargos, estão expostas a necessidades energéticas de curto prazo, e de forma a não onerar os preços finais de energia para seus clientes devido todas essas variáveis, as varejistas contabilizam para o cliente todos esses valores das obrigações financeiras, antecipa os pagamentos e emite uma única cobrança.

    A GreenYellow pode te auxiliar nas análises de redução de custos com energia elétrica, seja com análise de viabilidade de migração ou até mesmo em estudos de redução de consumo por meio implementação de medidas de eficiência energética, entre em contato com nossa equipe comercial para que possamos fazer um diagnóstico para sua empresa.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *